Labels

sábado, 16 de maio de 2015

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Meus relatos sobre Indústria Brasileira de Games?

Eu tenho recebido algumas mensagens privadas de algumas pessoas me pedindo para fazer uma matéria relatando alguns fatos e um pouco de minha opinião sobre a indústria brasileira de games, e também achei que seria bom ja que temos muitas pessoas aqui muito mal informadas (a maoria, e que se acham espertas o que é típico de brasileiro), que acessam informação em fontes nada confiáveis espalhando bobagem para leigos e outras pessoas de boa fé que não conhecem muito de como funciona. Por ai então atendendo o pedido de vocês aqui está.

Primeiramente quem me conhece ou acampanha meus trabalhos sabe que sou uma pessoa realista que tem visão de tudo por fatos. Sendo assim eu não fico tirando coisas em bases de falhas utopias e coisas do gênero (tipo o Gigante Acordou), e nem expectativas pessoais que também não possuo ja que crio probabilidade em base de fatos. Então a primeira coisa que é importante relatar antes de mais nada é que o balanço econômico do país que está completamente quebrado, então como você quer investimento em uma indústria como de video games?, então a coisa ja começa por ai, algumas pessoas me perguntaram de alguns games nacionais por ai como Toren, Chroma Squad entre alguns indies que saíram por ai o que achava deles, se eles teriam repercussão e etc. Bom sendo bem franco Chroma Squad dentro todos que vi no cenário "AA" de indies atuais foi o que teve a proposta mais bacana, Toren é bastante bem produzido em sua direção de arte mais um jogo não é feito apenas de gráficos e cenários bonitos falta muita coisa ali para se tornar um jogo que realmente impacta tirando o enredo clichê master, porém sendo que consumidores da indústria só ligam pra gráfico neste ponto eles ja tem chances de vender ou até ficar popular isso talvez é claro afinal quem sou eu pra afirmar algo. Certamente Chroma Squad receberá a atenção de bons players mas sendo seu gráfico retrô não quanto o esperado olhando como a indústria funciona primeiro um jogo precisa de um impulso para ser popular e depois tem que ter as superficilialidades que o "povo" procura, além disso muita gente me pergunta: "Você não sonha em trabalhar com jogos?".

Eu nunca sonhei pra falar a verdade, até porque eu nunca vi o brasil como um lugar bacana pra isso, mas eu me sinto satísfeito trabalhando de forma gratuita e apenas contribuindo culturalmente, eu não me importo em ter um público "gigante" e não ter trabalhos divulgados em todo lugar até porque também as obras mais majestosas em termos de conteúdo que joguei cerca de 92% delas não tem um público massivo e muito pouco reconhecimento, e muitas são delas sem fins lucrativos, sendo assim se eu gosto de "fazer games", não significa que "necessite de dinheiro" para fazer isso quem gosta de verdade faz ganhando ou não, o lance de necessitar de dinheiro para produzir games foi nas eras onde ferramentas como computadores eram inacessíveis entre a maioria das pessoas, hoje já não existem mais essa desculpa ou barreira, tirando o fator que em depoimentos de grande parte dos desenvolvedores de grandes obras sem fins lucrativos que vi eles também afirmam não ligar ter público grande ou alto reconhecimento ou seja são pessoas de postura sólida. Também prefiro fazer jogos sem depender em agradar gostos populares (que são bem porcos) e sempre se focar no mais inusitado, muitos acham que não valem a pena porque se preocupam em ter "brilho" e outras alusões do gênero, mas prefiro ter essa postura do que simplesmente ser mais um na massa. Sempre que pessoas prentendem lucrar com jogos, não todos mais entre sua maioria quer lucrar o máximo que puder sem pensar se aquilo vai ser interessante ou simplesmente estúpido, para eles o importante é dinheiro no bolso , para quem é leigo o cenário atual de games é composto em 3 categorias:

AAA= Indústria Principal (Ou Mainstream)

AA= Indies Finânciados com Fins Lucrativos ou Indies com Fins de Contribuição de Doação (De contribuição de doação é quando você e sua equipe, ou você mesmo se for uma produção solo o que é mais raro, recebe um finânciamento direto ou com a ajuda de algum instituto founding e recebe um bom material mas não tem lucro após a finalização do projeto, é como se fosse a produção underground porém com um bom suporte de material original (indies underground em maioria grande parte usam sprites ripados o que também torna-se motivo para alguns grupos trocar de nicknames para evitar também problemas de copyright coisas que alguns leigos ou ignorantes como fanboys e entre outros não sabem) e o lucro vai pro instituto que te ajudou, para claro eles ter uma volta e ajudar outros projetos o que é bem bacana pra quem quer contribuir, exemplo de projetos que ja tive participação atualmente finalizados e foram produzidos assim: "VSAC, P.E e M.K Hikae".

A=  Indies Undergrounds, projetos sem fins lucrativos, com muito pouco quase ou sem nenhum suporte.

Dentro todos a categoria Indie Underground é meu cenário preferido pois dali que surgem reais obras de pessoas que realmente gostam sem pensar em lucro em nenhum momento (tirando algumas pequenas exceções é claro), não desmerecendo o AA que ja até participei em modo de contribuição de doação ou AAA que ja joguei, mas o underground é aquele que sempre tem mais oferecer quando completo, porém claro assim como no AAA e AA tem os péssimos, ruins, médios e excelentes, afinal não é porque é indie que tudo é bom.

E se irmos pela real a maioria das pessoas que querem trabalhar com games e não sabem direito como funciona a produção de um, criam expectativas de trabalhar com isso apenas para possívelmente ganhar bem e ter uma vida luxuosa e fácil, sendo que muitos desses senhorios quando chegam na faculdade de Game Design se arrependem logo no primeiro mês "porque não era aquilo que esperavam, não é mesmo?". 
Então de forma geral acho que certos estúdios do Brasil podem ter suas chances sim, mas sem utopias forçadas como "brasil  se tornar uma grande potência de games em pouco tempo" e coisas do tipo, nem na música ou filmes e outros meios estão assim imagine games então?, claro que video game se tornou modinha esses tempos mas nenhuma modinha dura para sempre.
Visando desta forma chegamos a conclusão que vai depender da sorte dos desenvolvedores e seus estúdios, não adianta sonhar porque sonhar não é o suficiente se tratando do que chamam de "sucesso indústria", se fosse assim grandes artistas por ai sem reconhecimento estariam tendo o apoio que merecem e a coisa não é bem por ai, essas chances vão aumentar quando o país e o povo realmente mudar, o que vai demorar bastante e o processo será lento ou sendo pragmático talvez nunca... (não digo impossível).

quarta-feira, 6 de maio de 2015

A Bizarra Alienação Motriz Ótica Superficial de Personagens

 
 (Nada mais perfeito que um personagem modinha e querido superficialmente como capa da Matéria)

Hoje falaremos de outro assunto bastante importante que vem deixando personagens cada vez mais "Jonas Brothers" ou cada vez mais superficiais visualmente para atrair posers e pessoas de personalidade fraca, fanboys ja devem estar querendo me matar depois da última matéria mas vamos pra outra.

Provavelmente a época que mais promoveu a superficialidade em personagens foi apartir da era entre a 32 Bits e 128 Bits para cima, claro que não de forma genelarizada mais percebemos que bastante da garotada e até adultos (os famosos leite com pera também conhecidos toddynho ou leite moça), começaram a surgir de forma constantes nessas eras, novamente para os pros fanboys que querem me matar vou colocar o exemplo de FF7, é bastante interessante percebermos que se você chega pra maioria das pessoas que conhecem Final Fantasy hoje com coisas como isso:
 
 (Tem um amigo meu que acha ele bonito, não vou citar o nome para ele não ser zuado eternamente)
E querer perguntar sobre os clássicos que tem um conteúdo maior ou eles fazem cara feia, ou eles saem correndo, ou eles fingem que conhecem. Ja parou pra se perguntar o porque?, a resposta é óbvia "ótica superficial", nos tempos atuais a superfiacilidade ja se tornou bastante constante como uma forma de alienação ótica de pessoas que possuem uma mentalidade fraca (a grande maioria). Até um certo ponto acho comúm crianças serem superficias afinal crianças (as não retardadas) sempre procuram pelo diferente e se impressionam com quase tudo. Entretanto o real problema começa quando você vê adultos agindo de maneira nada matura e superficial seja para qualquer tipo de campo de entretenimento seja filmes ou quadrinhos. A maturidade é justamente para fazer o adulto entender aspecto de conteúdo verossímil, estóico e manobrar o congênito sem nada a oferecer. Então colocando em aresta este meandro vemos que existe um método de idiotização dentro do mercado de video game em cogitação a ísto.



                 (Depois dessa cagadacom o Link e outras eu vi que a porra tava realmente saindo do controle)

 E dai vem a pergunta, mais como assim idiotização?, são apenas roupas, cortes de cabelo e etc.
Sim são apenas roupas ou cortes de cabelo e etc, mas um alienado de ações Motriz via Ótica se sente atraído em consumir algo pelo "visual" e não pelo conteúdo. Se você fazer uma analogia básica do porque tem pessoas que se incomodam por gráfico você verá que são ambiguidades muito similares e também formuladas pelo sistema de mercado e seus resquícios. Veja o que aconteceu com Devil May Cry (DMC) o reboot da série onde é um jogo muito superior a triologia original em todos aspectos e foi completamente julgado pelo visual do novo Dante que só trouxe um visual mais maturo e sem traços de mangá ao personagem (que superficiais dizem que é mais daora e mimimi), e claro que nem tentaram entender o contexto por trás do jogo que condiz com o visual (mas o que esperar de um público deste não é mesmo?, vão pelo gosto cego), por outro lado temos o novo Link que acharam até que seria uma mulher mais não teve tanto alvoroço quanto este outro caso e ainda tem os personagens de FF 15 e seu visual todo boy band que os reais players de FF sabem que é um dos motivos que deixou a frânquia mais usurpa do que tinha a oferecer. Mas críticos de bom senso e boa apontação de resquício deste tema  na europa por exemplo reclamaram que a Cid feminina de FF 15 estava bastante apelativa sexualmente eu estive vendo até algumas matérias em fontes confiáveis aqui do brasil e vi que a reação do público brasileiro que ja é idiotizado viu este ponto relutante de moral como algo negativo e que era "frescura", então por ai da pra tirar uma noção onde está o nível sapiência de nosso querido público, na verdade o onde os críticos queriam chegar é que não se deve promover uma personagem apenas pelo aspecto de sexualidade sem ter um fundo de valores e motivos por trás o que não é nada errado e uma colocação bastante redundante.



                             (Nada a comentar)

 Pessoas hoje em dia são condicionadas a arrogância de querer ser melhor que as outras e ter mais brilho e destaque que as outras o que ajuda ainda mais no emburrecimento para caírem em um marketing onde se atraem em um personagem que tem visual ou poderes "badass" independente de ele não ter valores ou não ter nada a oferecer como experiência interessante de interação mometânea do ínicio ao fim de seu percurso no game. Assim chegamos a conclusão que esse emburrecimento injetado no público maior e consumista de intuito superficial, permanecerá por vários anos causando descontrução de maturidade e escravizando a motriz ótica superficial seja por personagens mulheres apelativas ou personagens que consideram super "estilosos" ou super "fortes" sem nada mais a oferecer, se você consegue ter a capacidade de exergar então trabalhe contra isso, aquele que busca evitar alusões sempre é mais coeso com seu "eu" e com o que se "consome"  e dificilmente caí em fútilidade como a grande a maioria.